Pular para o conteúdo

Ptose Palpebral

  • Autor: Fernando Amato ,
  • publicado em:

O que é ptose palpebral?

É uma condição na qual a pálpebra superior cai sobre o olho, afetando a abertura completa do olho e prejudicando o campo visual. Ela pode ocorrer em apenas um olho (unilateral) ou em ambos os olhos (bilateral) e pode ser congênita ou adquirida devido a doenças musculares, nervosas, traumas ou outras causas. O tratamento para isso varia dependendo da função da musculatura e do grau da condição. É importante buscar ajuda médica para avaliar a melhor abordagem terapêutica.

Quais são as causas?

A ptose palpebral pode ter diversas causas, incluindo:

  1. Congênita: a ptose palpebral congênita ocorre quando o músculo que levanta a pálpebra superior não se desenvolve adequadamente ou não funciona corretamente desde o nascimento.

  2. Envelhecimento: a ptose palpebral pode ocorrer naturalmente com o envelhecimento, devido à perda de elasticidade da pele e dos músculos da pálpebra.

  3. Trauma: lesões na área dos olhos ou nas pálpebras podem causar ptose palpebral.

  4. Doenças neuromusculares: condições neurológicas ou musculares, como miastenia gravis, distrofia muscular e doença de Parkinson, podem causar essa condição.

  5. Cirurgias anteriores: cirurgias oftalmológicas ou de pálpebra anteriores podem danificar os músculos da pálpebra superior e causar ptose.

  6. Uso de medicamentos: certos medicamentos, como relaxantes musculares e antidepressivos, podem causar isso como efeito colateral.

  7. Problemas de tireoide: hipotireoidismo, uma condição em que a tireoide não produz hormônios suficientes, pode causar ptose palpebral.

Quais são os sintomas de ptose palpebral?

Os principais sintomas de são:

  • A queda da pálpebra superior que cobre parte do olho afetado;
  • Sensação de cansaço ou esforço para manter a pálpebra aberta;
  • Dificuldade em abrir completamente o olho afetado;
  • Visão borrada ou dupla, devido à obstrução parcial da visão pelo excesso de pele da pálpebra;
  • Dor de cabeça, principalmente quando a ptose é bilateral e crônica;
  • Sobrancelha elevada e rugas na testa, devido à tentativa de compensação para elevar a pálpebra.
LEIA  Otoplastia

É importante ressaltar que os sintomas podem variar de acordo com a causa da ptose palpebral e o grau de comprometimento.

Qual a diferença da congênita e adquirida?

A ptose palpebral congênita é uma condição presente desde o nascimento, geralmente causada por problemas musculares ou nervosos na pálpebra superior.

Já a adquirida é uma condição que surge mais tarde na vida, geralmente devido a problemas musculares ou nervosos relacionados ao envelhecimento, lesões, doenças neurológicas, ou efeitos colaterais de medicamentos.

A ptose palpebral congênita pode ser mais grave e requerer tratamento cirúrgico mais cedo, enquanto a adquirida geralmente pode ser tratada com medidas conservadoras, como usar óculos ou usar colírios para ajudar a abrir o olho.

A cirurgia também pode ser uma opção para a ptose palpebral adquirida, mas isso geralmente é realizado apenas quando a condição afeta significativamente a visão ou causa outros problemas.

Quais são os tratamentos disponíveis para essa condição?

Os tratamentos podem variar de acordo com a causa da condição e o grau de comprometimento. Alguns dos tratamentos disponíveis incluem:

  1. Observação: em alguns casos, ela pode ser leve e não afetar significativamente a visão ou a estética. Nesses casos, o médico pode apenas monitorar a condição sem prescrever nenhum tratamento.

  2. Uso de óculos: em alguns casos de ptose palpebral leve, o uso de óculos pode ajudar a levantar a pálpebra afetada e melhorar a visão.

  3. Tratamento médico: em casos de ptose palpebral causada por problemas de saúde subjacentes, como miastenia gravis ou outras doenças neuromusculares, o tratamento médico dessas condições pode ajudar a melhorar a ptose palpebral.

  4. Cirurgia: em casos de ptose palpebral moderada a grave, a cirurgia é geralmente o tratamento mais eficaz. Existem diferentes técnicas cirúrgicas disponíveis, dependendo da causa e do grau de comprometimento. A cirurgia pode envolver a reparação do músculo levantador da pálpebra, a remoção do excesso de pele ou a elevação da pálpebra usando um enxerto de tecido ou uma sutura suspensória.

LEIA  Brad Pitt e a fonte da juventude moderna: A decisão pela ritidoplastia

Então, é importante lembrar que um médico oftalmologista ou cirurgião plástico especializado em cirurgia de pálpebra deve prescrever o tratamento adequado.

Quais são as cirurgias para correção da ptose palpebral?

Vários procedimentos cirúrgicos diferentes podem ser usados para corrigir a ptose palpebral, incluindo:

  1. Elevação da pálpebra superior: Essa cirurgia envolve o aumento dos músculos ou tendões da pálpebra superior para elevar a pálpebra e melhorar a visão.

  2. Na suspensão do músculo frontalis, os cirurgiões realizam a suspensão do músculo na testa chamado músculo frontalis para ajudar a elevar a pálpebra superior.

  3. Elevação do músculo Müller: Essa cirurgia envolve a elevação do músculo Müller, um músculo na pálpebra superior, para melhorar a posição da pálpebra.

  4. Blefaroplastia: Essa cirurgia envolve a remoção de gordura e tecido da pálpebra superior para melhorar a aparência e a posição da pálpebra.

  5. Cirurgia combinada: Às vezes, pode ser necessário realizar uma combinação de várias dessas cirurgias para tratar a ptose palpebral.

Em resumo, a escolha da cirurgia a ser realizada depende do grau da ptose e da causa subjacente, além disso é importante lembrar que é necessário passar por uma avaliação médica prévia para identificar qual a melhor opção para cada caso específico.

Marcações:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Dr. Fernando Amato

Dr. Fernando Amato

Cirurgião Plástico CRM/SP 133826