Pular para o conteúdo

Ginecomastia

  • Autor: Fernando Amato ,
  • publicado em:

Sumário

Conceito

Ginecomastia: consiste no aumento do tecido mamário em homens

Pseudoginecomastia: Aumento do volume mamário por aumento apenas de gordura, sem alterações no volume da mama. Pode ser chamada também de lipomastia.

Macromastia persistente puerperal: É a denominação da ginecomastia que iniciou na puberdade e não houve resolução espontânea por causas até então não completamente esclarecidas.

História

Os primeiros casos relatados dessa condição são da 18a dinastia Egípcia. Em que as imagens do faraó Tutankamon e seus familiares aparecem com ginecomastia. 

A primeira descrição cirurgia foi feita por Paulus Aegineta que viveu entre 625 a 690 a.C. com ressecção em cunha submamária, relatada como cirurgia de Aboul Cassis. 

Curiosidade: Paulus Aegineta foi um médico grego conhecido por ter escrito a enciclopédia médica: Compêndio Médico em Sete Livros. Por muitos anos no Império Bizantino, este trabalho continha a soma de todo o conhecimento médico do Ocidente e era incomparável em sua precisão e perfeição.

Epidemiologia

Possui 3 picos de incidência:

– Neonatal, por influencia dos hormônios maternos
– Adolescência, por desequilibrio hipofisário, adrenal e tentacular
– Andropausa, por que da produção de testosterona, aumento da conversão em estrogênio devido ao aumento do acúmulo de gordura corporal (aromatase do tecido adiposo

– 65% dos pacientes com ginecomastia estão na faixa de 14/15 anos 
– 7,5% persiste após os 17 anos de idade 
– consiste em 10 % de todas cirurgias plásticas realizadas em homens (EUA) 
– consiste em 18% das cirurgias realizadas em pacientes entre 13 e 19 anos 

Classificação

Classificação ginecomastia

A ginecomastia possui diversas classificações. Sendo as mais comuns:

1) Nydick 1961

– Glândula limitada a região retroareolar, não atinge a margem da aréola

– Glândula extende até a margem da aréola

– O aumento de volume da glândula ultrapassa além da borda da aréola

2) Tanner 1971 –

Estagio 1: mamilo proeminente –

Estagio 2: fase broto mamilar; elevação da mama e da aréola –

Estagio 3: Aumento maior da mama e aréola, sem separação dos contornos –

Estagio 4: projeção da aréola e das papilas para formar montículo secundário por cima da mama –

Estagio 5: saliência somente nas papilas

3) Simon 1973

Grau I e pequeno aumento mamário visível; nenhuma redundância de pele;

Grau IIA: aumento mamário moderado sem redundância de pele;

Grau IIB: aumento mamário moderado com redundância de pele;

Grau III: aumento mamário moderado com redundância de pele definida (mama feminina pendentes)

4) Deutinger e Freilinger 1986

– Grau 1: parede torácica pobre em tecido; tecido mamário localizada por trás e ao redor do mamilo; sem excesso de pele;

– Grau 2: adiposo parede torácica; alterações generalizadas; seios semelhantes a feminino adqueridos durante a puberdade;

– Grau 3: alterações generalizadas; o excesso de tecido adiposo, redundância de pele, sulco inframamário e ptose.

5) Cohen 1987

– Grupo 1: ginecomastia glandular;

– Grupo 2: ginecomastia glandular com ptose;

– Grupo 3: ginecomastia com tecido adiposo; – Grupo 4: ginecomastia com tecido adiposo com componente glandular.

6)Rohrich 2003

– Grau I e hipertrofia mínima (<250 g de tecido mamário), sem ptose; IA: principalmente glandular; IB: em primeiro lugar fibrosa;

– Grade II e hipertrofia moderada (200e500 g de tecido mamário), sem ptose; IIA: primariamente glandular; IIB: em primeiro lugar fibrosa;

– Grau III e hipertrofia (> 500 g de tecido mamário), com grau I ptose glandular ou fibrosa;

– Grau IV e hipertrofia grave com grau II ou III ptose glandular ou fibrosa

Causas

A ginecomastia tem como causa: doenças genéticas, doenças endocrinológicas, câncer, uso de medicações e drogas, mas na maioria das vezes a causa é desconhecida. Não se identificando causa tratável clinicamente, e persistindo o quadro por mais de 2 anos, o tratamento cirúrgico está indicado.

Veja algumas causas:

Alterações Matabólicas:

– Desnutrição
– Doenças Hepáticas
– Hipertireoidismo
– Insuficiencia renal

Obesidade

Alterações na hipófise

Hipogonadismo

Resistência a andrógenos

Anabolizante

Medicamentos

Drogas:
– Maconha
– Heroína
– Álcool (Alcoolismo)

Neoplasias (Câncer):
– Câncer de testículo
– Outros cânceres

Defeitos na síntese de testosterona

Síndrome de insensibilidade androgênica

Diagnóstico diferencial (Câncer de mama)

Idiopática

Tratamento

Tratamento clínico

O tratamento clínico pode ser feito com antiandrogênicos (Danazol) e antiestrogênicos (Tamoxifeno), porém esse tratamento deve ser realizado por médico especialista, pois esse medicamentos possuem efeitos colaterais e podendo causar complicações ao paciente.

O tratamento clínico funciona em casos iniciais de ginecomastia. Pacientes com glândulas grandes e excesso de pele não se beneficiarão desse tratamento sendo indicado o tratamento cirurgico direto.

Danazol: é uma substância com afinidade nos receptores androgênicos, apresentando efeitos androgênicos e antiandrogênicos

Tamoxifeno: é uma substância antiestrogênica

      – Outros medicamentos similares: Clomifeno, Raloxifeno

Inibidores da aromatase (como o Letrozol, Anastrazol, Fadrozol, Exemestane), são medicações que podem apresentar efeito positivo no tratamento da ginecomastia, porém não existem trabalhos suficientes comprovando o seu benefício.

Tratamento cirúrgico

tratamento ginecomastia

O tratemento cirurgico tradicional da ginecomastia consiste principalmente em ADENECTOMIA (ressecção da glândula mamária). Pode ser associado ou não a LIPOASPIRAÇÃO, e associado ou não a RESSECÇÃO DE PELE. Existem outras opção cirurgicas como o uso de laser ou de ultrasom, mas que precisam de mais estudos para serem confiáveis. O custo dessa cirurgia com esses aparelhos e materiais não justificam, uma vez que o tratamento tradicional consegue proporcionar resultados satisfatórios. Devido ao descolamento de tecidos e por ser uma área muito vascularizada, pode-se optar pelo uso de drenos no pós operatório com a finalidade de evitar formações de coleções como o hematoma e seroma no pós operatório. Além do uso de drenos, já existem trabalhos mostrando semelhante resultado, sem uso de drenos e realizando pontos de adesão para diminuir o espaço morto, ou seja, local onde pode-se acumular líquidos no pós operatório. As principais complicações dessa cirurgia são: Hematoma, Seroma, Assimetrias, Irregularidades de superfície, Cicatrizes inestéticas

O acesso cirúrgico, “o corte”, na adenectomia costuma ser em torno da auréola, para minimizar a cicatriz. A cirurgia pode ser feita com anestesia local ou geral, dependendo de cada caso. A internação é rápida, normalmente não passando de 24 horas de internação.

Os riscos desse procedimento são mínimos e estão associados a má adesão ao pós operatório, em que é necessário ficar em média 4 semanas sem atividade física e utilizando corretamente malha elástica.

Cicatrizes: Em torno da aréola, podendo ser ampliada para as laterais caso tenha muito excesso de pele. Pode ter pequenas cicatrizes nas saídas do dreno, quando for utilizado, ou caso seja realizado lipoaspiração.

Anestesia: Anestesia local e sedação, ou anestesia geral.

Internação: Pode ser realizado em regime de hospital dia, ou seja, pode ter alta no mesmo dia.

Pós-Operatório / Recuperação:  Em torno de 1 a 2 meses, pode ser recomendado o uso de malhas pós operatórias e o  retorno é gradual à atividades físicas.

Intercorrências: Formação de hematoma, equimose, ceroma, cicatrizes, assimetrias.

O Cirurgião Plástico Dr. Fernando Amato (CRM 133826) fala sobre o aumento de glândulas mamárias nos homens, chamado de Ginecomastia. Saiba como ser tratado assistindo ao vídeo!

Olá, eu sou doutor Fernando Amato.

Hoje eu vou falar sobre ginecomastia.

Ginecomastia é o aumento da glândula mamária
nos homens, isso o homem pode ter a glândula

mamária aumentada.

A faixa etária mais acometida são os adolescentes,
mas é claro que quando é identificado esse

aumento da glândula mamária, é preciso
que seja feita uma investigação adequada,

porque existem doenças que podem ocorrer
ao mesmo tempo, pode ser até o sintoma de

uma doença muito mais grave.

O tratamento pode ser feito até com medicação
numa fase inicial, mas quando já se cresceu

bastante a mama e já teve uma distensão
de pele, o tratamento é cirúrgico e que

é indicado quando só sintomas se persistem
com mais de um, dois anos.

Como que é o tratamento cirúrgico?

É feito um corte ao redor da auréola para
se retirar a glândula e se retira parte da

glândula, muitas vezes o paciente já tem
muita pele então pode ser feito um ajuste

de pele com um corte um pouco maior e quando
se tem excesso de gordura junto com a ginecomastia

também pode ser feito a lipoaspiração.

Nesse vídeo o Dr. Fernando Amato, Cirurgião Plástico do Instituto Amato, vai falar sobre: Saiba TUDO sobre Ginecomastia Um tema polêmico que vale a pena a discussão Esses pacientes sofrem com o contorno, muitas vezes sentem-se envergonhados de tirar a camisa na frente de outros ou até mesmo usar algumas camisetas que marcam mais. A indicação de cirurgia, na maioria dos casos, é estética, mas em alguns pacientes. Esse aumento, das mamas, além de causar perda da auto estima e qualidade de vida, em casos exacerbados, como mamas de grande volume, pode apresentar alterações locais como dermatites e infecções de pele nas regiões de dobra pelo atrito.

Olá! Eu sou o Dr.

Fernando Amato e hoje vou
falar sobre ginecomastia.

Você sabe o que é ginecomastia?
A ginecomastia,

ela é o aumento das mamas nos homens,
basicamente pelo aumento da glândula mamária,

mas também pode acontecer o aumento
da mama nos homens por gordura.

O que a gente chama de pseudoginecomastia.
Geralmente na ginecomastia que tem

o aumento da glândula também
tem o acúmulo de gordura.

Esse depósito de gordura.

Bom, as causas da
ginecomastia são várias.

Então a gente não não chama ela de uma
doença em si, de um sinal, de um sintoma

que é o aumento das mamas.

Existem três picos principais de
aumento das mamas nos homens.

Um, é uma fase de amamentação quando ainda
criança o bebê está amamentando e por

influência do hormônio feminino da mama da
mãe que vem pelo pelo leite, esse hormônio vem

pelo leite, existe um estímulo da glândula
mamária, geralmente nos bebês a glândula

aumenta um pouco e depois
ela diminui e volta ao normal.

O segundo momento de aumento da mama nos
homens é um período puberal e que existe um

desbalanço hormonal e que sim, pode acontecer
o aumento da mama e geralmente tem uma

regressão e o terceiro momento de aumento
da glândula mamária que também é fisiológico,

é quando na andropausa, ou seja, quando os
hormônios masculinos eles caem e sim, existe

uma influência na glândula mamária,
aumentando a glândula mamária

nessa andropausa em que o homem
perde o hormônio masculino.

Então existem essas três causas fisiológicas,
mas também existem outras causas.

Dentre elas existe o câncer de testículo,
câncer de pulmão, um diagnóstico diferencial

já que a gente está falando de câncer, é o
câncer de mama, não é ginecomastia, o câncer

de mama ,ele pode cursar com o
aumento da glândula, com um nódulo,

então ele é um diagnóstico diferencial
que precisa ser investigado.

Também existem usos de medicações, uso
de hormônios, pessoas que fazem uso de

anabolizantes, hormônios para aumentar o
volume muscular também pode ter esse estímulo

na glândula mamária e
aumento da glândula.

Também a obesidade, a obesidade é importante
saber por que? Existe uma enzima chamada

aromatase. Essa enzima converte os hormônios
masculinos em hormônios femininos, e,

estrogênio. É por isso que tem um aumento da
ginecomastia em pacientes obesos. Também

o uso de algumas drogas, como a maconha
também pode causar esse balanço e

influenciar no volume mamário. Dentre essas
causas existem várias causas e muitos os

casos eles acabam sendo idiopáticos, ou seja,
ficam sem diagnóstico e é o mais comum e é o

que mais frustra os pacientes de não saber a
causa, o que gerou esse aumento da glândula.

Muito provavelmente pode ter sido um desses
picos, principalmente no da puberdade em que o

adolescente tem o aumento
da glândula e ele não regride.

Ele regride em quase todos os casos na
puberdade, mas em torno de 5% a 10%

dos casos não regride. Quando existe uma
persistência dessa casos casos idiopáticos

não identificando uma causa, medicamentosa.
O que gerou isso, não conseguindo identificar

depois de dois anos,

o tratamento acaba sendo cirúrgico
principalmente por questões estéticas,

psicológica, autoconfiança, mas também existem
casos extremos que podem até ter queda da

mama, pode ter assaduras, como
se fosse uma mama grande.

Todos os desconfortos que uma mama grande já
causa em uma mulher pode causar no homem e

com um impacto psicológico negativo.

E como que é, o que a gente faz, que
exames que a gente acaba pedindo para

investigar?

A gente pede exames de tireoide, a gente
acaba pedindo exames hormonais, testosterona

estrogênio, pedem hormônios relacionados
a hipófise, pedimos o ultrassom de mama,

mamografia para excluir
nódulos ou outras causas,

o diagnóstico diferencial. E a cirurgia,

como que é a cirurgia? A cirurgia consiste
nessa ressecção do excesso de glândula.

Vejam bem, é o excesso de glândula.

A gente não para fazer uma
mastectomia, que é a retirada da glândula.

A gente precisa
ressecar até o mamilo.

Então como a gente preserva o mamilo, a gente
acaba deixando, muitas vezes, um pouco de

glândula e isso acaba favorecendo
até uma recidiva de uma ginecomastia.

Por isso é importante a investigação,
investigar a ginecomastia nos faz até evitar

uma recidiva no após
um tratamento cirúrgico.

Então a ginecomastia a gente faz essa ressecção
da glândula e pode estar associado a uma

lipoaspiração para tirar esse excesso de
gordura e às vezes esses pacientes que têm

muita pele,

a gente precisa fazer uma ressecção
de pele e reposicionamento.

Bom, isso é o que eu posso ajudar
vocês a entenderem a ginecomastia.

Se vocês tiverem alguma dúvida, comentem
perguntem, não deixe de perguntar.

Curtam e compartilhem esse vídeo
com quem pode estar precisando.

Obrigado!

Perguntas e respostas sobre Ginecomastia

O que é a cirurgia de ginecomastia?

A cirurgia de ginecomastia é um procedimento cirúrgico que visa reduzir o tamanho das mamas masculinas.

Como é a cirurgia de ginecomastia?

Pode ser realizado a ressecção da glândula, com ou sem ressecção de pele, e como ou sem lipoaspiração.

Qual é o propósito da cirurgia de ginecomastia?

A cirurgia de ginecomastia é realizada para melhorar a aparência física de um homem e aumentar a autoestima. Também pode ser realizada para tratar a dor associada ao crescimento da glândula, ou mesmo ao incomodogerado pelo aumento da glândula mamária.

Quais são os riscos da cirurgia de ginecomastia?

Como qualquer procedimento cirúrgico, a cirurgia de ginecomastia envolve riscos, incluindo infecção, sangramento, dor, cicatrizes e reações a medicamentos. O cirurgião discutirá os riscos específicos com o paciente antes da cirurgia.

Quais são os tipos de cirurgia de ginecomastia disponíveis?

Existem dois tipos principais de cirurgia de ginecomastia: cirurgia de ginecomastia aberta e cirurgia de ginecomastia fechada. A cirurgia de ginecomastia aberta envolve uma incisão maior e é geralmente mais adequada para casos mais graves de ginecomastia. A cirurgia de ginecomastia fechada envolve incisões menores e é geralmente mais adequada para casos leves a moderados de ginecomastia. Pode ser associada a lipoaspiração, pode ser utilizado equipamentos para destruir a glândula e gordura, como laser ou ultrasom. Também pode ser utilizado radiofrequência para tartar a flacidez de pele, como o bodytite.

Quanto tempo dura a cirurgia de ginecomastia?

A cirurgia de ginecomastia geralmente leva de uma a três horas para ser concluída, dependendo do tamanho e gravidade da ginecomastia.

Quais são os cuidados pós-operatórios da cirurgia de ginecomastia?

Após a cirurgia de ginecomastia, é comum o paciente sentir dor e inchaço. O cirurgião prescreverá medicamentos para aliviar a dor e poderá recomendar um suporte de compressão para ajudar a diminuir o inchaço. O paciente também deve evitar atividades intensas por algumas semanas após a cirurgia e seguir as instruções do cirurgião sobre cuidados com as incisões.

Quando posso retomar minhas atividades normais após a cirurgia de ginecomastia?

O tempo de recuperação após a cirurgia de ginecomastia pode variar de paciente para paciente. Em geral, é comum que o paciente sinta dor e inchaço por algumas semanas após a cirurgia. O cirurgião recomendará evitar atividades intensas por algumas semanas após a cirurgia. O paciente também deve seguir as instruções do cirurgião sobre cuidados com as incisões. Em geral, os pacientes podem retomar suas atividades normais em cerca de duas a três semanas após a cirurgia, mas pode levar mais tempo para se recuperar completamente.

Quais são as complicações possíveis da cirurgia de ginecomastia?

As complicações da cirurgia de ginecomastia são raras, mas podem incluir infecção, sangramento, dor, cicatrizes e reações a medicamentos. O cirurgião discutirá os riscos específicos com o paciente antes da cirurgia.

Quanto tempo os resultados da cirurgia de ginecomastia duram?

Os resultados da cirurgia de ginecomastia são geralmente permanentes. No entanto, é importante lembrar que a pele pode envelhecer e mudar com o tempo, o que pode afetar a aparência dos resultados da cirurgia.

Quanto custa a cirurgia de ginecomastia?

O custo da cirurgia de ginecomastia pode variar amplamente dependendo de diversos fatores, como o lugar onde a cirurgia é realizada, o tipo de cirurgia que é necessária e o seguro médico do paciente. É importante discutir os custos com o cirurgião e obter uma cotação antes da cirurgia. Como é um procedimento incluso no Rol da ANS, é possível realizar via seguradoras e convênios médicos.

nv-author-image

Dr. Fernando Amato

Cirurgião Plástico CRM/SP 133826