Pular para o conteúdo

Diástase Abdominal pós-parto tem tratamento

  • Autor: Fernando Amato ,
  • publicado em:

Diástase abdominal pós parto

A diástase dos músculos reto abdominais consiste no afastamento da musculatura abdominal, e é uma das queixas mais frequente no pós-parto. Costuma aparecer, principalmente, no 3º trimestre da gestação e pode persistir após o nascimento do bebê. Com o aumento da pressão intra-abdominal causada pela gestação, o tecido que faz a ligação desses músculos ficando cada vez mais fino, perdendo força e, dessa forma, afastando-se. Depois da gestação, essa musculatura, muitas vezes não volta ao normal, trazendo desconforto abdominal, insatisfação corporal, dor na coluna, incontinência urinária e fecal, prolapso pélvico e até piora da autoestima.

 

Pode aparecer em outras situações ou doenças basicamente relacionadas ao aumento da pressão dentro do abdômen, como na obesidade e/ou fragilidade dos tecidos na parede abdominal, tal como em indivíduos que fizeram muitas cirurgias abdominais ou que possuem hérnias na parede abdominal. Raramente sua causa é congênita, ou seja, quando a pessoa nasce com essa condição.

 

Não existe uma definição objetiva de quanto o afastamento é normal e quando ele passa a ser considerado patológico. Existem trabalhos que mostram que a distância dessa musculatura de até 2 cm é normal na população geral, mas isso não impede que quem tenha menos que isso apresente sintomas. É importante ressaltar que a diástase abdominal também pode aparecer em homens. 

 

O tratamento, incialmente, pode ser pelo fortalecimento da musculatura da parede abdominal, com exercícios direcionados e educação postural. Malhas e faixas também podem ser usadas como prevenção, principalmente no período pós-parto ou mesmo após uma cirurgia abdominal com o objetivo de se evitar a recidiva de uma diástase. No pós-parto é recomendável não iniciar exercícios direcionados para esse fortalecimento antes de seis semanas do parto e sempre deve seguir a orientação do obstetra antes de iniciar qualquer atividade física.

 

O tratamento cirúrgico pode ser realizado, no mínimo, após seis meses do parto, mas, preferencialmente, depois de parar com a amamentação. A cirurgia pode ser associada a dermolipectomia abdominal (abdominoplastia), e muitas vezes é recomendada essa associação para poder tratar o excesso de pele.

 

O tratamento também pode ser realizado por laparoscopia ou por cirurgia robótica, mas que ficam reservados aos casos que não possuem excesso de pele para ser tratado. 

 

*Dr. Fernando Amato é médico cirurgião plástico, membro titular pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, membro da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) e da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS).

A diástase dos músculos retoabdominais, consiste no afastamento da musculatura abdominal, e é uma das queixas mais frequente no pós parto. Costuma aparecer principalmente no 3o trimestre da gestação e pode persistir após o parto. Com o aumento da pressão intra abdominal, pela gestação, o tecido que faz a ligação desses músculos vai ficando cada vez mais fino, perdendo força e dessa forma se afastando. Depois da gestação muitas vezes não volta ao normal, ou como antes, trazendo desconforto abdominal, insatisfação corporal e até piora da auto estima.Pode aparecer em outras situações ou doenças basicamente relacionadas ao aumento da pressão dentro do abdomen, como na obesidade, e/ou fragilidade dos tecidos na parede abdominal, como em indivíduos que fizeram muitas cirurgias abdominais, e muitas vezes está relacionado a hernias na parede abdominal como as hérnias umbilicais.É mais raro ser congênito, ou seja alguém nascer com essa condição, e é importante lembrar que também pode aparecer em homens.Não existe uma definição objetiva de quanto o afastamento é normal e quando ele passa a ser considerado patológico, existem trabalhos que mostram que a distância dessa musculatura de até 2 cm é normal na população geral, mas isso não impede que quem tenha menos que isso apresente sintomas. O sintoma mais comum é o desconforto abdominal, mas também está altamente relacionado a piora da qualidade de vida por alteração da imagem corporal. Também pode estar relacionado a dor na coluna, incontinência urinária e fecal e prolapso pélvico.

O tratamento incialmente pode ser pelo fortalecimento da musculatura da parede abdominal, com exercícios direcionados e educação postural. Malhas e e faixas também podem ser usadas principalmente na prevenção pós parto, ou mesmo após uma cirurgia abdominal para evitar a recidiva de uma diástase. No pós parto é recomendável não iniciar exercícios direcionados para esse fortalecimento antes de 6 semanas do parto, e sempre deve ser consultado a opinião do obstetra assistente antes de iniciar.O tratamento cirúrgico pode ser realizado no mínimo após 6 meses do parto, mas preferencialmente depois de parar com a amamentação. A cirurgia pode ser associada a dermolipectomia abdominal (abdominoplastia), e muitas vezes é recomendada essa associação, para poder tratar o excesso de pele.O tratamento também pode ser realizado por laparoscopia ou por cirurgia robótica, mas que ficam reservados aos casos que não possuem excesso de pele para ser tratado.

olá você sabe o que é diário é

a peça de aço consiste no apartamento da

musculatura abdominal e é uma das

queixas mais frequentes no período

pós-parto muitas mulheres desenvolvem

durante o terceiro trimestre de gestação

e acabar com esse após o parto porque é

que isto acontece

com o aumento da previsão tem que gostar

e pode ser causa da gestação faz a

ligação vai ficando cada vez mais fico

vai perdendo força e dessa forma vai ser

o presente depois do parto dificilmente

volta ao normal e essa diabo pode acabar

fazer um pouco né

o adiáforo pode aparecer em homens

também pode aparecer em outras situações

ou doenças normalmente relacionado com o

aumento do abdômen combater a obesidade

relacionado à fragilidade na parede

abdominal já fizeram às vezes está

relacionado da república e a cigarra

e não existe isso quanto apartamento é

normal quando ele passa o considerado

patológico e sem trabalho nossa pode ser

até 2 cm mas isso não impede de 15 – ma

é como que é o casamento o tratamento

também pode ser pelo fortalecimento da

musculatura da parte final o exercício

direcionado cultural

as malhas faixas elásticas podem ser

usados não posso falar ou mesma forma

região abdominal pais estarem seguidores

mundial no pós-parto é recomendável não

iniciarmos direção aos pais comigo hoje

seis semanas do parto 5 e deve ser usada

opinião se observa dois disse a qualquer

atividade

e o tratamento cirúrgico pode ser

realizado no mínimo após seis meses

opaco mas preferencialmente depois para

com amamentação a cirurgia pode ser

associada a infecção e abdominal ah ah

vidas aparecer muitas vezes é

recomendável associação para poder

tratar o excesso de pele também o

tratamento pode ser realizado por

laparoscopia e atender os mais

necessitados reservados a

você gostou quer saber mais sobre

cirurgia claro vejo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

nv-author-image

Dr. Fernando Amato

Cirurgião Plástico CRM/SP 133826